11.17.2017

Resenha "Sorrisos Quebrados" - Sofia Silva | Editora Valentina.

Olááá pessoaaas, tudo bem com vocês?

Hoje trago pra vocês a resenha desse lindo que recebi em parceria da editora Valentina e vou falar um pouquinho sobre ele.

SINOPSE: Sorrisos Quebrados gira em torno de três personagens: a jovem Paola, a pequena Sol e seu pai, André. Os três são vítimas de violências distintas, que deixaram marcas profundas em cada um. Trata-se de uma história de superação de dores, magia, estrelas e de como importantes laços humanos podem se formar a partir da autoaceitação, da arte e da tolerância no cotidiano.










O livro começa sendo narrado do ponto de vista da Paola, do momento em que ela vê que vai morrer, na verdade, ela começa narrando a morte dela, e explicando um pouco de como foi parar na situação em que se encontra.

Ela vive em um relacionamento abusivo, o que parecia ser um príncipe encantado, acabou se revelando o pior dos lobos maus. Roberto, seu marido, que é extremamente lindo diga-se de passagem, alto, loiro, olhos claros, e uma excelente situação financeira, transformou a vida dela um verdadeiro inferno. Paola sempre se sentiu uma mulher sortuda por um homem desses a escolher como esposa, dentre todas as amigas que ele poderia ter escolhido. Ela não se considera uma mulher bonita, sendo magra, baixinha demais, sem muitos atributos que a destacassem a não ser um lindo sorriso.

Seu casamento começou as mil maravilhas, mas tudo começou desmoronar quando começou perceber que os cuidados excessivos do seu marido, eram na verdade obsessão e doença, quando abriu os olhos, já achava que fosse tarde demais para conseguir se livrar dele, e em uma última tentativa, chegou ao começo, sua morte.

E não, isso não é spoiler porque está entre o primeiro ou segundo capítulo. Ela só não imaginava que a vida fosse lhe dar uma segunda chance. Mas Roberto não destruiu apenas a pouco estima que Paola tinha com ela mesma, ele deixou marcas profundas na alma e no corpo dela.



Achei Paola uma personagem bastante real, ela tem seus traumas, medos, mas é uma mulher forte e decidida, sem dramas. Ela preferiu se isolar em uma clinica e viver sua vida sozinha do que ficar dependendo da pena de outras pessoas. E é lá, na clinica que ela conhece André e a pequena Sol.

André foi parar na clinica depois que sua filha Sol passou mal e ele não teve como leva-la ao médico e mesmo não sendo responsabilidade, nem mesmo um hospital de verdade, eles aceitaram tratar da menina, que depois acabou se tornando paciente de lá.

Desde então ele tenta compensar o trabalho e cuidado que sempre tiveram com a menina ajudando com alguns serviços de manutenção e construção no local. E em uma dessas visitas ele se depara com Paola em uma das suas crises e na tentativa de ajudar, acaba piorando tudo.

Com todo trauma que passou, Paola acabou desenvolvendo certo pânico de ser tocada e estar perto de homens, uma reação de defesa pelo que passou com Roberto e quando ela se vê no colo do André que é um homem monstruosamente grande por conta do serviço, ela chega a desmaiar de tanto pavor.

O rapaz também tem seus problemas e preocupações mas o maior de todos é sua joinha, a Sol. A menina é especial por várias razões mas a principal é o medo de se relacionar. A Sol parece ter uma especie de fobia social (não sou especialista então, me corrijam se estiver errada), ela não se solta na frente de outras pessoas, dificilmente se sente a vontade para se relacionar e não confia nas pessoas também então, a surpresa do André quando viu que a Sol e a Paola se deram bem e se divertiram muito já de cara.

Através desse encontro, começa uma relação de muita amizade e entendimento entre os três.



O que eu achei mais legal nisso tudo, é o quanto a autora nos faz entender que o mais importante é nos aceitarmos antes de aceitar qualquer outra pessoa e de permitir que outras pessoas nos aceitem como nós somos, imperfeitos. Que todos nós temos alguma magoa, alguma trava mas que algumas pessoas não tem culpa do que outras fizeram para nós e que devemos sempre nos permitir. Nos permitir acreditar, nos permitir confiar, nos permitir mais uma chance, nos permitir amar e nos permitir a sermos felizes sozinhos também acima de tudo.

E principalmente que a aparência não diz quem uma pessoa é, nem do que é capaz. O Roberto era um lobo na pele de príncipe, o André um príncipe na pele de um lobo. A Sol, ela é um raio de sol mesmo e a Paola, a Bela na pele da Fera.

No geral, eu gostei bastante do livro, leria novamente tranquilo e super recomendo, com toda certeza fica a indicação de um livro lindo de uma garotinha fofa aushaushaus.

Espero que tenham gostado, não se esqueçam de deixar seus comentários.

Beijoss!!!
;**




Nenhum comentário:

Postar um comentário